Como suas expectativas afetam a sua Autoestima ?

Uma pessoa com Autoestima saudável tende a ter expectativas elevadas, porém realistas de si mesma. Isto porque ela tem noção dos seus dons e qualidades mas também tem consciência das fraquezas e dos pontos vulneráveis, e se permite errar, mesmo dando o melhor de si mesmo. Por outro lado, aqueles com Autoestima negativa  tendem a viver com padrões altos ou desnecessariamente baixos. Freqüentemente são perfeccionistas ou sentem-se fracassados, ou ainda ambos.

Todos nós, em algum nível, desejamos corresponder às expectativas externas e também internas. Externamente somos cobrados e esperam de nós determinados comportamentos ou padrões. É assim no trabalho, com a família e os amigos. Neste caso, ainda que tenhamos um desejo genuíno de corresponder ao que esperam de nós, a verdade é que a responsabilidade da expectativa é de quem a criou e não devemos nos obrigar a condizer com estes encargos impostos.

Aqueles que têm uma baixa Autoestima  podem se colocar em uma situação vulnerável ao tentar corresponder às expectativas externas, pois é possível que ajam sem uma motivação interna, podendo atribuir-se objetivos que não desejam de verdade, e viver de acordo com valores que não são reais. Isto pode acontecer por uma necessidade de agradar, de obter reconhecimento e atenção, já que não se avaliam de uma forma positiva e normalmente não percebem-se como dignos de tal apreciação.

Altas expectativas internas também podem decorrer de uma Autoestima míope, pelo mesma motivação de afirmar o próprio valor. Administrar tais expectativas, pode ser um pouco mais desafiador, além de ser fonte de estresse, ansiedade e frustrações.

Definir metas que são quase impossíveis de atingir sabota nossos esforços para nos sentirmos bem com relação a nós mesmos e é um sinal de que nossos padrões podem ser muito altos. O perfeccionismo é um dos fatores que contribuem para a Autoestima negativa, porque a perfeição não existe e reforça a impressão de que não se é bom o suficiente.

Existem muitas formas para a alta ou uma excessivamente baixa expectativa se manifestar. Pode ser percebido na área profissional e financeira, nos relacionamentos, desempenho pessoal, aparência ou em qualquer outro aspecto de nossa existência, até mesmo na evolução espiritual. Um contrassenso, não ?

Padrões distorcidos podem perpetuar um ciclo de tentativas frustradas que alimentam o ciclo da baixa Autoestima, e alimentar um padrão de desistência de tarefas e novas empreitadas, pois já antecipa o fracasso. Aqueles que tem Autoestima saudável, ao contrário, se dedicam e estão dispostos a arriscar mesmo com risco de fracasso. Eles entendem que um fracasso não é sinônimo de ser fracassado ou de incompetência e estão dispostos a se esforçarem para conseguirem o que desejam, isso inclui desenvolver habilidades ou pedir ajuda quando necessário. A diferença é que sentimentos desconfortáveis ​​os motivam a agir de maneira positiva,  Por este motivo, realizam e conquistam mais, não porque são mais capazes ou merecedores.

Em resumo, embora a baixa autoestima possa tornar os padrões pessoais confusos e decepcionantes, a boa autoestima nos permite estabelecer e atingir padrões realistas elevados para nós mesmos e desfrutar de um sentimento de competência. O círculo vicioso da baixa autoestima e padrões irrealistas torna-se, do outro lado da cerca, um delicioso círculo de alta auto-estima e alta satisfação com o eu e a vida.

A autoestima e as expectativas estão ligadas. Ao compreender e gerenciar suas expectativas, você pode ter um melhor controle de sua autoestima.

As expectativas em si não é algo ruim. Temos expectativa de continuarmos vivos, por isso trabalhamos e pagamos previdência. Expectativa significa esperar algo e estando vivos, estamos sempre esperando por algo. Podemos usar esta espera como forma de nos preparamos da melhor maneira possível para um provável cenário.

Gerenciar suas expectativas é considerar se você está sendo realista ou irrealista. Obter o equilíbrio e analisar cada situação racionalmente ajudará a esclarecer se o seu ponto de vista é justo para você. Para acertar isso, você precisa de uma boa dose de autoconsciência e da capacidade olhar a  situação de fora, e considerar todos os aspectos e probabilidades dela.

Estabeleça metas que sejam realistas e estabeleça um padrão razoável para “bom o suficiente”, de acordo com a sua capacidade, aquilo de ser o melhor que você puder, sem se comparar com outros. Permita-se cometer erros e perceba que eles fazem parte do processo de aprendizagem. Todo mundo comete erros. Saiba que você não precisa ser bom em tudo e leva tempo para se tornar bom em algo novo. Apenas como aprender a andar. Aprenda a priorizar, tenha limites apropriados e aprenda a dizer não. 

Você é seu pior inimigo. Se você puder aprender a parar de esperar a perfeição impossível, em você mesmo e nos outros, você poderá encontrar a felicidade que sempre lhe escapa, Lisa Kleypas

Questione suas expectativas. Pergunte a si mesmo se suas expectativas estão de acordo com seus próprios valores, necessidades e quem você é como pessoa.

Deixe de lado a necessidade de realizações constantes. A conquista pode ser uma coisa boa; no entanto, é importante não depender disso para seu senso de valor próprio. Veja até onde você chegou, em vez de se concentrar muito no destino. A Autoestima é sustentada por quem você é, independentemente de fatores externos, como conquistas.

Ter expectativas razoáveis ​​e saudáveis ​​de si mesmo é importante para uma autoestima saudável e uma vida plena.

Leia também:

Autossabotagem

Autoimagem Corporal e Autoestima

Como desenvolver Autoestima

PARTICIPE DA PESQUISA DE AUTOESTIMA
Suas respostas são confidenciais e vão nos ajudar a melhorar nossos serviços e conteúdo.
São só 2 minutos ; )