Sabe quando você fica remoendo um erro? É ruim, né? Pois saiba que além de fazer você se sentir mal, é um ralo para a autoestima saudável.

Não importa qual o tamanho do seu erro, ou quão grave foi, para prosseguir com a sua vida  é necessário aprender a liberar este peso. Eu sei que isto está longe de ser simples. Às vezes é necessário ajuda profissional (mas afinal de contas pessoas estudam para isto, não é?). 

  

Toda vez que você se lembra dos seus erros e se culpa por eles, é como estivesse sempre dizendo a si mesma que você é uma pessoa má e com isto pode vir acompanhado um sentimento/ pensamento que você merece punição e este é um caminho para a autossabotagem. 

Toda esta construção é estrutural, baseada em crenças. Lembra quando você ouvia que menina má é feia e não merece sobremesa? Pois é… Menina má não merece ser feliz. Ai ai ai carx leitorx, como é que sai dessa?

O primeiro passo, como sempre, é tomar consciência de que você faz algo que te prejudica, ainda que isto seja inconsciente. E não menos importante é querer se perdoar e saber que você merece este perdão. E olha, isto é muito libertador. Sério.

Quem de nós não se arrepende de algo que tenha feito? Eu tenho meus esqueletos para arrastar também e vou ser sincera, eles não sumiram mas já não me machucam mais. Deixaram de ser um esqueleto amarrado aos meus pés e hoje talvez sejam fantasmas desfocados. Foi fácil? Nem um pouco. Foi rápido? Tão rápido quanto a minha avozinha correndo.

Tenho que ser sincera com você que está aqui, sou do tipo rancorosa e não me orgulho disso. Quem é assim com o outro é ainda pior consigo mesmo. Esta característica me fez re(vi)ver o mesmo erro, me culpar, me colocar para baixo de uma maneira que vai além de ficar triste. Acontece realmente um processo de autossabotagem. A vida vai andando devagar, se arrastando.

Verdades sobre a culpa:

  1. Te mantém preso ao passado
  2. Faz com que você evite o presente
  3. Evita que você cresça
  4. Afeta a sua saúde mental e física
  5. Afeta a sua Autoestima e Autoimagem

Ainda que eu goste e acredite em terapia breve e algumas técnicas como hipnose, a verdade é que não existe um momento mágico em que simplesmente se quebram as correntes que prendem o esqueleto. O processo é mais parecido com usar uma faca de pão para serrar. Demora e dá trabalho. Neste ponto é necessário algum nível de autoestima para saber que você vale a pena, que não quer mais se sentir assim, que está na hora de se perdoar. E que é necessário continuar o processo.

A culpa é uma função de seus pensamentos e geralmente é perpetuada por pensamentos negativos em um looping de autocrítica e diálogo interno depreciativo, e/ou falta de autoaceitação. Sua mente pode ficar repassando eventos passados.  Essas experiências podem causar uma infelicidade profundamente enraizada em sua vida.

Dependendo do que você tenha feito pode haver um elemento a mais na equação: A religião! Se as suas crenças te dizem que o que você fez é pecado e que por isto você merece a punição divina, o buraco é mais embaixo, né? E agora, Madalena?

Bem, se você tem uma religião ou é espiritualista você acredita em Deus ou em uma força maior, que é superior à você. No Brasil tem uma grande chance de você ser cristã/ cristão e se esse for o caso eu não quero de forma alguma ofender a sua fé mas acho muito incoerente como algumas igrejas que se dizem cristãs condenam pecadores ao inferno ad eternum .Quando Jesus veio para ensinar o amor e o que ele mais fez foi perdoar. “Vá e não peque mais”, não foi isto? Jesus, Buda, Maomé… eles não inventaram nenhuma religião. Todos eles (e muitos outros avatares) ensinaram só o amor. A religião é uma formatação dos homens.  Se você precisa de um perdão superior, se conecte com a sua espiritualidade e peça direto à fonte, sem intermediários. Permita-se!

Racionalizar esta culpa também pode ajudar. Quando você aceita que não é perfeita(o), que está aprendendo e evoluindo, aceita que você agiu da melhor forma que podia naquela situação, com o conhecimento, a sabedoria e a consciência que tinha. Você se arrepende? Ótimo, sinal que evoluiu, que já não é mais aquela pessoa e que provavelmente agiria de uma forma diferente.

Não dá para mudar o que aconteceu, suas decisões e as suas experiências mas é possível mudar a forma como você enxerga o que aconteceu. Chamamos a isto de ressignificar, e nestes quase dez anos fazendo atendimentos quando estes momentos acontecem é muito especial. É possível observar a mudança no corpo e em toda a linguagem não verbal. Eu diria que é um alívio, uma sensação de tirar um peso dos ombros.

 

Como livra-se da culpa?

Se você fez algo “errado”, nomeie, assuma e aceite. Se você cometeu um erro, pratique a aceitação; todo mundo comete erros. Pergunte a si mesmo: há algo que eu possa fazer sobre isso agora? Se for assim, aja de acordo, se não, é hora de seguir em frente.

Mantenha aqueles que impõem sentimentos de culpa sobre você à distânciaSe você descobrir que determinada pessoa tende a trazer à tona sentimentos de culpa ou se você se sentir pior depois de estar na companhia dela, faça um hiato ou limite o tempo que passa com ela.

Diálogo Interno Positivo. Lembre-se de que você merece viver em paz e, para desenvolver uma conversa interna e uma autoestima mais positivas, é fundamental falar bem consigo mesmo. Experimente algo como “Eu sou uma pessoa boa e amorosa que está fazendo o melhor que posso”. Se você ainda não consegue se perdoar, diga algo como “Estou aprendendo a me perdoar” ou “Eu quero/ posso me perdoar”. É importante fazer afirmações que sejam verdadeiras e que você acredite nelas.

Obtenha perspectiva. Faça duas categorias, em uma, liste as coisas sobre as quais você tem controle e, na outra, liste as coisas sobre as quais você não tem controle no momento. Por exemplo, a culpa do passado está atormentando você sobre um relacionamento com um membro da família? Em caso afirmativo, liste o que você pode fazer sobre eles agora e o que está fora de seu controle. Sentar e ruminar sobre coisas que não podem ser feitas não o ajudará, mas o fará sentir-se infeliz. Escrever pode ajudá-lo a ver a verdade.

Você precisa se desculpar? Talvez você tenha feito algo no passado que continua perseguindo ou atormentando você. Se foi há anos ou mesmo horas, nunca é tarde para se desculpar. Uma carta, e-mail ou telefonema pode resolver esse fardo pesado. Lembre-se de que isso não é para beneficiá-los. A intenção é fazer as pazes dentro de você. Se isso for muito difícil, tente fazer algum trabalho de mediação ou energia para liberar alguns dos sentimentos e enviar-lhes pensamentos de gratidão e amor.

Qual o aprendizado? O que essa situação te ensinou? Qual era a missão aqui? Talvez você tenha encerrado um relacionamento e a outra pessoa tenha ficado profundamente magoada, levando você a se sentir culpado e mal consigo mesmo. Há algo que você aprendeu com isso, sinais desde o início ou coisas que com certeza evitará no próximo relacionamento? Use cada experiência que sua mente considera “culpada” como uma ferramenta para melhorar sua vida. Faça as pazes com os outros, se necessário.

Agradeça. Vale até definir um alarme em seu telefone, ou dedique alguns minutos por dia listando as coisas pelas quais você é grato no momento. Isso ajuda a colocar sua mente no agora e evita viagens de culpa.

 

Por que você não consegue se perdoar? Se você não começar agora, quando começará?

“Não há problema tão terrível que você não possa adicionar um pouco de culpa e torná-lo ainda pior.” – Bill Watterson.

 

Continue a sua leitura:

O que a honestidade tem a ver com a Autoestima

Autoestima X Amor Próprio

Baixa auto estima aparência

De onde vem a baixa Autoestima?

O que eu posso fazer para ter mais Autoestima

Cinco hábitos da boa Autoestima

30 perguntas para avaliar a autoestima

ACOMPANHE

Microcast

O Micro podcast da Academia de Autoestima

E-books

Baixe Gratuitamente