Há uma diferença entre Autoestima e Autoimagem

“A razão pela qual as pessoas fazem tanta cirurgia plástica é porque elas realmente se esqueceram de quem são e estão se identificando com sua autoimagem. O verdadeiro eu é imune a críticas”. Aparentemente, de acordo com Chopra, quando concentramos nossa confiança ou estima em circunstâncias externas, tudo é impermanente e inevitavelmente muda. Leva a uma mudança ou diminuição da confiança e senso de self. Em vez disso, quando nos concentramos na realidade interna, atemporal e maior de nosso verdadeiro ser, então esse Self é imune a se importar com o que os outros pensam de nós.

A preocupação com a Autoimagem quase sempre se baseia erroneamente em opiniões e expectativas externas. Um grande perigo surge quando nossa autoestima interior não combina com a autoimagem que projetamos para nossa família, amigos e colegas. Quanto maior a distância entre essas duas realidades, mais vulneráveis a sentimentos negativos nos tornamos.

Quando uma pessoa falha em encontrar seu próprio valor, eles tendem a depender de fatores externos para validar quem são. Você pode se surpreender ao descobrir que as pessoas que parecem “ter tudo” (dinheiro, casas, carros, respeito e muitos amigos) muitas vezes se sentem vazias e solitárias. Tragicamente, essas coisas não são nada além de adereços que ajudam a sustentar um senso de Eu insatisfatório. No final, eles podem alimentar o ego de uma pessoa, mas fazem pouco para aumentar o valor interno. Eles são apenas uma solução rápida, uma alegria de curto prazo na melhor das hipóteses.

Onde você baseia o seu autovalor?

Quando você baseia seu valor no que os outros pensam ou dizem a seu respeito, você desenvolve uma Autoestima frágil.  Você não tem ideia dos critérios utilizados para te julgar: seus valores, sua história, seus próprios sentimentos… Por isso, no final das contas, não importa o que outras pessoas pensam.

O autor e palestrante Eckhart Tolle diz sobre Autoestima: “A autoestima verdadeira é muito mais profunda. É encontrar a fonte de poder e vitalidade no seu interior. Percebendo que dentro da profundidade de seu ser há aquela fonte contínua de vivacidade e poder intensos, que é o Don Miguel Ruiz, autor de Os Quatro Compromissos diz que  “Quando você é imune aos pontos de vista e ações dos outros, você não será vítima de sofrimento desnecessário.” Marianne Williamson sugere que, em vez de procurar nas pessoas fora de nós mesmos confirmação para o nosso valor, alcançamos autoestima através da autoconsciência e do cultivo de um relacionamento com Deus. O Dr. Wayne Dyer diz: “Minha autoestima vem de mim mesmo. Como um filho de Deus, minha dignidade é um dado”. Independentemente de como você vê Deus ou a Grande Realidade, sua conexão com algo maior do que você mesmo define você. definição se traduz em sua auto-estima.

Na sociedade de hoje, onde as celebridades exibem a sua riqueza e as pessoas no Instagram e no Facebook parecem viver vidas tão felizes e gratificantes, é fácil sentir-se um pouco invejoso e competitivo. Tentar acompanhar os influencers muitas vezes deixa as pessoas se sentindo inadequadas, com a sensação de que há algo errado ou faltando em suas vidas – ou em si mesmas.  

Deepak Chopra explica: “Há uma diferença entre autoestima e autoimagem. A razão pela qual as pessoas fazem tanta cirurgia plástica é porque elas realmente se esqueceram e estão se identificando com sua autoimagem. O verdadeiro eu dentro de você não está abaixo de ninguém. É imune a críticas e é destemido. Não confunda a sua imagem com o seu Eu – a sua autoimagem é o que as outras pessoas pensam de você, e o seu Eu (estima) é o que você pensa de você. ”

Você é da sua conta. Quais são seus valores, de onde você veio, quais são seus dons e paixões e qual é a sua história? Você está vivendo consistentemente com essas coisas? Quando você começa a entender e a aceitar sua singularidade em um nível mais profundo, é quando você começará a viver a vida como seu verdadeiro Eu, e começará a compartilhar os dons especiais que você mantém com o mundo.

Self e fatores externos

Quando uma pessoa falha em encontrar seu senso de Self interior, tendem a depender de fatores externos para validar quem são. Você pode se surpreender ao descobrir que as pessoas que parecem “ter tudo” (dinheiro, casas, carros, respeito e muitos amigos) muitas vezes se sentem vazias e solitárias por dentro. Tragicamente, essas coisas não são nada além de adereços que ajudam a sustentar um senso de Eu insatisfatório. No final, estes acessórios até podem alimentar o ego de uma pessoa, mas fazem pouco para aumentar a percepção de valor interno. São apenas uma solução rápida com muito pouco poder duradouro. A alegria que se sente é de curto prazo na melhor das hipóteses.

A autoimagem é um foco no superficial e impermanente. Dinheiro, status e posses são todos meios materiais e superficiais de julgar e se relacionar com a experiência humana. Eu ou você realmente queremos nos cercar de outras pessoas que acreditam que o nível superficial e os elementos transitórios são de vital importância para uma vida de qualidade?

A obsessão pela autoimagem leva a uma vida de constante comparação. Como já escrevi antes, sempre haverá alguém mais rico, mais magro, mais inteligente, mais espiritual, mais etc. Uma vida de comparação constante é uma competição que nunca poderemos vencer no longo prazo.

Se tudo o que importa é a nossa autoimagem, então somos extremamente suscetíveis a ser manipulados por outras pessoas e pela mídia. Se acabarmos perseguindo coisas que os outros nos dizem ser importantes (ou seja, dentes totalmente brancos, um rosto sem rugas ou a mais recente TV de tela grande), nunca chegaremos, porque sempre haverá algo mais que precisamos nos faça felizes.

O foco no mundo externo da autoimagem é uma garantia segura de que sentiremos insatisfação com quem somos e com o que temos continuamente. 

As necessidades da Autoimagem

A autoimagem está relacionada a necessidades baseadas no medo. Sempre que buscamos aprovação externa, tentamos controlar ou nos esforçamos para obter um poder externo, estamos agindo com medo. Esse medo pode ser baseado na ideia de que não somos bons o suficiente ou que o mundo é um lugar assustador que precisa ser controlado e / ou dominado. Qualquer que seja a base do medo – se não for resolvido e focalizado externamente, nunca irá embora.

Então, saber que o foco na autoimagem cria um conjunto tão amplo de problemas me leva a largar tudo e não me importar com o que as pessoas pensam de mim novamente? Se fosse assim tão fácil! Além disso, como criaturas sociais, a maioria de nós percebe que é sábio fazer concessões às vezes para viver em harmonia e paz com outros seres. É por isso que a ideia de autoestima tem tanto poder para mim. Autoestima não é afirmar meu direito de fazer o que eu quiser quando eu quiser – em vez disso, é me lembrar que estou bem (na verdade, muito mais do que meramente bem), não importa que experiência possa estar ocorrendo em minha vida a qualquer momento!

Em outras palavras, quando vivo minha vida com alto grau de auto-estima, fico profundamente conectado ao meu Ser interno mais profundo. Eu não preciso da sua aprovação ou de qualquer outra pessoa para nada, porque eu já recebi a confirmação final de mim mesmo. Quando essa consciência se tornar inquestionavelmente real para mim, não importa se alguém gosta de mim ou me julga por minhas ações. Mesmo se o que você acredita no fundo do seu coração for radicalmente diferente do meu, essa diferença não vai me afetar de forma alguma.

A Autoimagem na vida adulta

Uma pessoa que compreende o que é uma autoestima saudável torna-se menos suscetível às opiniões dos outros. Chropra realmente recomenda isso. Também há evidências de vários fisiologistas populares, como o Dr. Martin Seligman, que concordam que uma ênfase exagerada na construção da autoimagem de uma criança pode sair pela culatra. Embora Seligman diga que uma autoimagem elevada pode fazer as crianças se sentirem bem consigo mesmas por um tempo, infelizmente, não as ensina a ser independentes, autônomas e responsáveis ​​à medida que crescem. Na verdade, muita ênfase na pseudo autoimagem baseada em nenhuma realidade tangível, como talento, sucesso ou realização, parece falsa para a criança e pode levar ao narcisismo e / ou depressão. Por outro lado, ensinar um jovem sobre a verdadeira Natureza de seu Ser pode conectá-lo a uma Fonte que o capacitará por toda a vida.

Resumindo: A sua autoestima é una com a natureza imutável de seu Eu e ao se conectar com o seu Ser essencial, você se torna consciente da sua individualidade, e que por conta disto não é inferior a ninguém.

 

30 perguntas para avaliar a autoestima

ACOMPANHE

Microcast

O Micro podcast da Academia de Autoestima

E-books

Baixe Gratuitamente

1 Comentário

  1. Olá Academia de Auto estima adorei seu conteúdo!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *