Como identificar a baixa Autoestima?

Autoestima é como você se sente sobre si mesmo e como você julga o seu valor. Esta autoavaliação tem um impacto profundo nas escolhas que você faz, pois determina, em grande medida, o que você considera capaz e digno de fazer. 

Pessoas com baixa autoestima – que se sentem mal consigo mesmas e se julgam inferiores aos outros – correm o risco de não cumprir seu verdadeiro potencial na vida. Eles podem não tomar a iniciativa de estabelecer e perseguir objetivos pessoais; podem não colocar esforço em sua educação ou carreira; podem aceitar maus tratos da família, amigos e parceiros românticos. 

 

A baixa autoestima pode ter um grande impacto na  felicidade e qualidade de vida. As pessoas que a sentem  tendem a sentir que não são boas o suficiente ou que não podem fazer nada direito. Elas também tendem a ver a vida através de uma lente negativa, que ajuda a confirmar a maneira como ela pensa e impede que ela se veja de uma forma mais positiva.

Exercício - Será que eu tenho baixa Autoestima?

Não. Autoestima é a percepção subjetiva que uma pessoa faz de si mesma. Baixa Autoestima é uma percepção global negativa.

Autoestima é a avaliação individual que uma pessoa faz sobre si mesma. Baixa Autoestima é, então, uma avaliação final negativa. A pessoa que tem baixa Autoestima normalmente é muito crítica consigo, não enxerga as suas qualidades, não confia em seu potencial, não se sente merecedora de boas coisas ou então não percebe-se como capaz de conquistá-las. É comum prevalecer o pessimismo. Esta forma de se perceber acaba influenciando a forma como a pessoa se comporta e consequentemente, afeta todos os resultados da vida dela.

Podem ser vários os motivos, como: lar disfuncional, traumas, abusos, relacionamentos abusivos, fracassos, negligência, educação parental rígida, estresse, bullying, objetivos irrealistas, autoimagem negativa, culpa, arrependimento, crítico interno severo, pensamentos negativos, crenças limitantes, distorções cognitivas, identidade social, etc.

 

 

Alguns sinais comuns: Crítico Interno severo, não conseguir enxergar as próprias qualidades e pontos fortes, se depreciar, aceitar relacionamentos abusivos, pessimismo (copo sempre meio vazio), necessidade de agradar, dificuldade em falar não, dificuldade para expressar opinião (tem medo de falar besteira e ser julgado), gastos acima do padrão, tem dificuldades em receber elogios. Estes comportamentos são indicativos e não uma sentença.

Se existe uma constante busca pela perfeição, necessidade de ser o melhor;

Se desistem sem tentar, por medo de fracasso;

Se fazem comentários negativos e depreciativos sobre si mesmo;

Se fazem sacrifícios pessoais para agradar outras pessoas;

Se acreditam que outras pessoas estão sempre pensando ou falando o pior delas;

Se ficam excessivamente ansiosos quando conhecem alguém;

Se ficam extremamente defensivos quando provocados;

Se estão sempre tentando mostrar que são especiais.

Entre diversos sentimentos possíveis, é comum a pessoa que tem baixa Autoestima não sentir-se “boa” o bastante. Seja para um relacionamento, carreira ou um desafio a encarar. Comumente sentem que as pessoas à sua volta são melhores ou mais capazes.

Não existe um comportamento padrão. Alguns podem ser introvertidos e fazem o possível para não serem percebidos (acreditam que não se encaixam, não são bons o bastante, etc), enquanto outros podem fazer de tudo para serem o centro das atenções (querem validação externa daquilo que não acreditam ou não veem em si mesmas). Podem até ferir ou magoar pessoas para sentirem-se melhores a respeito de si mesmas, mas o maior mal que causam é sempre a si mesmas. 

Se você não souber o que falar, apenas demonstre que você a aceita como é, e que sempre a apoiará. Em casos mais graves, incentive a pessoa a buscar ajuda profissional. Se a pessoa em questão não identifica ou não aceita que tem uma baixa Autoestima, sutilmente ofereça oportunidade de conhecimento como livros, textos, vídeos, etc. Tudo começa com o autoconhecimento. 

Não faça elogios vagos e genéricos como “Você é bonito” ou “Você é inteligente” pois é provável que a pessoa não acredite e ainda se sinta incompreendido. Se for falar algo, aponte as evidências de qualidades ou características, como ser uma pessoa comprometida, por X evidência. Ofereça os indicativos.

Não necessariamente. O aspecto físico é apenas um componente, e pequeno, do julgamento que cada um faz de si. O que pode acontecer é que uma pessoa que tem baixa autoestima não gosta de si fisicamente e não consegue identificar suas qualidades e pontos positivos que fazem com que uma pessoa tenha orgulho de si mesma. 

Existem alguns testes que dão indicativos. Você pode clicar no banner abaixo e fazer o famoso teste Escala Rosenberg. O vídeo acima é um exercício que te permite fazer uma autoavaliação sobre como anda a sua Autoestima. 

 

*Se você está passando por um quadro depressivo, procure ajuda médica/psicológica o mais rápido possível. Cuidar da sua saúde mental e das suas emoções é uma forma de autocuidado e demonstração de amor próprio.

+ Academia

Jornada Semear

Autoconhecimento para mulheres que desejam se reconectar com sua essência e resgatar a autoestima

E-book

Autoestima: Sistema Imunológico da Mente; Autossabotagem

Microcast

Pequenos áudios para provocar reflexão e mudanças

Academia de Autoestima® 2024  – Todos os Direitos Reservados

Este site utiliza Cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao prosseguir você concorda com a nossa Política de Privacidade.