Estratégias infalíveis para aumentar a sua Autoestima

Sentir-se inferior, pensar mal de si mesma, se por pra baixo. Essas são algumas formas da baixa autoestima operar.

Se você passa por isto sabe o quanto prejudica e atrapalha a vida, de diversas formas possíveis e em diversas áreas. Para mudar a forma como você se vê e assim desenvolver uma autoestima positiva, é necessário mudar não somente o seu pensamento, mas também alguns hábitos. 

Inevitavelmente requer ações práticas da sua parte. Mantras e afirmações positivas não vão fazer muito por você. Neste texto você vai encontrar diversas sugestões de como melhorar a sua autoestima de forma prática. Identifique o que você não faz das estratégias propostas e comece a implementar em sua vida.

Definição de Autoestima

A autoestima é a maneira como as pessoas se percebem e é um componente importante de sua saúde mental e bem-estar geral. É uma medida de quanto um indivíduo se valoriza e pode afetar a forma como ele interage com os outros e toma decisões. Uma autoestima saudável é caracterizada por sentimentos de autoconfiança, valor e respeito por si mesmo, enquanto a baixa autoestima é caracterizada por sentimentos de insegurança, inadequação e falta de confiança nas próprias habilidades. É importante que os indivíduos tenham um nível saudável de autoestima para levar uma vida plena e bem-sucedida.

A autoestima nas mulheres

Ter um nível saudável de autoestima pode ajudar as mulheres a se sentirem confiantes em si mesmas e em suas habilidades, e também pode afetar seus relacionamentos com os outros. Mulheres com autoestima elevada têm mais chances de ter relacionamentos saudáveis, pois são capazes de se comunicar de forma eficaz e estabelecer limites. Elas também são mais propensas a se sentir bem consigo mesmas e com seus corpos, o que pode melhorar sua saúde mental e bem-estar geral. Além disso, mulheres com autoestima elevada costumam ter mais sucesso na vida pessoal e profissional, pois são capazes de enfrentar desafios e lidar com situações difíceis com confiança. Por outro lado, a baixa autoestima pode levar a uma série de consequências negativas, incluindo depressão, ansiedade e falta de sucesso em várias áreas da vida.

Estratégias para melhorar a autoestima: 

1. Prática da Autoaceitação e da Autocompaixão:

 A autoaceitação é o processo de reconhecer e aceitar todos os aspectos de si mesmo, incluindo seus pontos fortes e fracos, conquistas e erros e qualidades e características únicas. Envolve reconhecer que os pensamentos, sentimentos e comportamentos são uma parte normal do ser humano e que não há problema em cometer erros e falhas.

 

A autocompaixão, por outro lado, é a prática de ser gentil e compreensivo consigo mesmo, especialmente em momentos difíceis ou desafiadores. Envolve ser compreensivo e não julgar a si mesmo e reconhecer que todos cometem erros e enfrentam desafios. A autocompaixão também envolve reconhecer que o sofrimento e as emoções difíceis são uma experiência humana universal e oferecer a si mesmo a mesma gentileza, cuidado e compreensão que alguém ofereceria a um amigo. Juntas, a autoaceitação e a autocompaixão podem ajudar os indivíduos a ter um relacionamento mais positivo e saudável consigo mesmos e a levar uma vida mais gratificante e significativa.

Aqui estão algumas maneiras de praticar Autoaceitação e Autocompaixão:

  • Pratique a atenção plena: preste atenção aos seus pensamentos, sentimentos e sensações no momento presente, sem julgamento. Isso pode te ajudar a reconhecer e aceitar suas emoções e experiências sem reagir a eles de forma negativa. 
  • Trate-se com gentileza: fale consigo mesma de forma solidária e compreensiva, como faria com uma amiga querida. Evite a autocrítica severa e desenvolva o diálogo interno compreensivo e compassivo com você mesma.
  • Pratique o autocuidado: participe de atividades que nutrem a sua mente, corpo e espírito, como exercícios, alimentação saudável e técnicas de relaxamento. Isto pode te ajudar a se sentir melhor com você mesma e também a ter mais energia e resiliência.
  • Busque apoio: Cerque-se de pessoas solidárias e atenciosas que possam te oferecer encorajamento e compreensão. Também pode ser útil buscar apoio de um terapeuta que pode te ajudar a lidar com emoções, perdas e desafios mais difíceis.
  • Abandone o perfeccionismo: Reconheça que é normal errar e ter defeitos, e tente abdicar da necessidade de ser perfeita. Em vez disso, concentre-se em fazer o seu melhor e aprender com os seus erros.

Efeitos da autocompaixão e da autoaceitação na autoestima:

A autoaceitação e a autocompaixão pode ser benéficas para a autoestima de várias maneiras: Quando uma pessoa se aceita e é gentil consigo mesma, pode desenvolver uma visão mais positiva e realista de si mesma, o que pode melhorar a autoestima e a autoconfiança.

  • Aumento da resiliência: a autocompaixão pode te ajudar a lidar com desafios e contratempos de maneira saudável, o que pode aumentar a sua resiliência e capacidade de se recuperar de situações difíceis.
  • Felicidade: A autoaceitação e a autocompaixão podem levar a sentimentos aumentados de contentamento e bem-estar, pois a pessoa é mais propensa a aceitar a si e as experiências sem julgamento.
  • Impacto nos relacionamentos: Ao se aceitar e se tratar com bondade e amor, uma pessoa tem maior probabilidade de ter relacionamentos saudáveis com outras pessoas.
  • Maior sucesso: A autoaceitação e a autocompaixão também podem levar a um maior sucesso na vida, devido à capacidade de enfrentar desafios com autoconfiança e atitude positiva.

 

2. Definir objetivos realistas e comemorar conquistas:

Estabelecer metas é importante para a autoestima porque ajuda as pessoas a se concentrarem no que desejam alcançar e a dar passos para progredir. Quando as pessoas estabelecem metas, elas são capazes de identificar seus pontos fortes e áreas de melhoria e podem trabalhar para se tornar a melhor versão de si mesmas. Este processo de autoaperfeiçoamento e crescimento pessoal pode ser fortalecedor e pode ajudar a aumentar a autoestima.

Além disso, alcançar metas pode dar às pessoas uma sensação de realização e orgulho, o que também pode contribuir para aumentar a autoestima. Quando as pessoas conseguem realizar o que se propõem a fazer, elas se sentem mais capazes e confiantes em suas habilidades. No geral, estabelecer metas é um aspecto importante do autocuidado e pode ajudar os indivíduos a se sentirem mais realizados e satisfeitos com suas vidas, o que, por sua vez, pode levar a uma melhora na autoestima.

 

Aqui estão algumas dicas para definir metas realistas:

  • Comece pequeno: pode ser opressor tentar atingir um grande objetivo de uma só vez. Em vez disso, tente dividi-lo em etapas menores e mais alcançáveis
  • Seja específico: defina claramente o que deseja alcançar e como fará isso. Quanto mais específico for o seu objetivo, mais fácil será focar e trabalhar para alcançá-lo.
  • Faça um plano: Desenvolva um plano para atingir seu objetivo, incluindo tarefas e prazos específicos. Isso pode ajudá-lo a permanecer no caminho certo e progredir.
  • Considere seus recursos: certifique-se de ter os recursos necessários, como tempo, dinheiro e suporte, para atingir seu objetivo.
  • Seja flexível: a vida é imprevisível e não há problema em ajustar seus objetivos conforme necessário.
  • Esteja aberto para revisar seu plano, se necessário, e esteja disposto a abrir mão de metas que não são mais relevantes ou realistas.
  • Comemore seu progresso: Comemorar seu progresso ao longo do caminho pode ajudar a mantê-lo motivado e focado. Reconheça e recompense-se pelo progresso que fez, por menor que pareça.

Importância de celebrar as conquistas:

Comemorar as conquistas é importante por vários motivos: Quando uma pessoa atinge seus objetivos e comemora seus sucessos, isso pode dar uma sensação de realização e orgulho, o que pode aumentar sua autoestima.

  • Promove uma perspectiva positiva: comemorar as conquistas ajuda a mudar o foco das experiências negativas ou desafiadoras para as positivas, o que pode melhorar o bem-estar e a felicidade geral.
  • Incentiva o crescimento pessoal: reconhecer e celebrar as conquistas pode servir de motivação para continuar lutando pelo crescimento e aperfeiçoamento pessoal.
  • Ajuda a construir relacionamentos: compartilhar conquistas com outras pessoas, sejam amigos, familiares ou colegas, pode ajudar a fortalecer relacionamentos e criar um senso de comunidade.
  • Promove uma sensação de realização: Comemorar as conquistas ajuda as pessoas a se sentirem bem consigo mesmas e com o progresso que fizeram, o que pode levar a uma sensação de realização e satisfação. Em suma, comemorar as conquistas é uma parte importante do autocuidado e pode contribuir para o aumento da autoestima, da felicidade e do bem-estar geral.
 

3.Pratique gratidão:

 

 

A gratidão é o sentimento de reconhecimento e apreço pelas coisas boas da vida. Envolve reconhecer o valor das coisas que temos por bens materiais, como uma casa confortável ou um carro confiável, mas também pode se estender a coisas intangíveis, como boa saúde, relacionamentos de apoio e realizações pessoais. A gratidão pode ser uma emoção poderosa que pode melhorar a saúde mental e o bem-estar, e é algo que as pessoas podem cultivar e praticar em suas vidas diárias.

Formas de praticar gratidão:

Existem muitas maneiras de praticar a gratidão, incluindo:

  • Diário de gratidão: anote algumas coisas pelas quais você é grato todos os dias. Esta pode ser uma maneira simples de refletir sobre os aspectos positivos de sua vida.
  • Compartilhe sua gratidão com outras pessoas: diga às pessoas em sua vida pelo que você é grato e por quê. Isso pode ajudar a fortalecer os relacionamentos e criar uma atmosfera positiva.
  • Pratique a gratidão em tempos difíceis: pode ser especialmente desafiador sentir-se grato quando as coisas estão dando errado, mas focar no que você é grato pode ajudar a colocar as coisas em perspectiva e fazer você se sentir melhor.
  • Realize atos de bondade: fazer coisas para os outros pode fazer você se sentir bem consigo mesmo e pode ajudar a cultivar um sentimento de gratidão.
  • Medite: Reservar um tempo para sentar-se em silêncio e focar no momento presente pode ajudar a aumentar a atenção plena e a gratidão.
  • Ao praticar a gratidão regularmente, os indivíduos podem melhorar sua saúde mental e bem-estar e cultivar uma visão mais positiva da vida.

Benefício da gratidão para a autoestima:

A gratidão pode ser benéfica para a autoestima de várias maneiras:

  • Relacionamentos aprimorados: expressar gratidão aos outros pode fortalecer os relacionamentos e melhorar as conexões sociais, o que, por sua vez, pode aumentar os sentimentos de autoestima e confiança.
  • Maior positividade: focar nas coisas boas da vida pode ajudar a mudar a perspectiva e aumentar as emoções positivas, o que pode melhorar o bem-estar geral e a autoestima.
  • Maior resiliência: A gratidão pode ajudar os indivíduos a lidar com desafios e contratempos de uma forma mais positiva, o que pode aumentar sua resiliência e capacidade de se recuperar de situações difíceis.
  • Melhor saúde mental: a gratidão tem sido associada a melhores resultados de saúde mental, incluindo sintomas reduzidos de depressão e ansiedade.
  • Maior realização: Expressar gratidão por realizações pessoais pode ajudar os indivíduos a se sentirem orgulhosos de suas realizações e a terem uma sensação de realização e realização, o que, por sua vez, pode aumentar a autoestima

No geral, a gratidão pode ser uma ferramenta poderosa para melhorar a autoestima e o bem-estar geral.

4. Cerque-se de pessoas que te apoiam

Ter uma rede social de apoio é importante por vários motivos:

• Apoio emocional: Uma rede social de apoio pode proporcionar um sentimento de pertencimento, aceitação e apoio emocional, o que pode ser especialmente importante em momentos de estresse ou dificuldade.

• Apoio prático: Amigos e familiares podem fornecer assistência prática e ajudar em tarefas como transporte, cuidado de crianças e reparos domésticos.

• Melhoria da saúde mental: estudos mostraram que pessoas com fortes conexões sociais têm melhores resultados de saúde mental, incluindo taxas mais baixas de depressão e ansiedade.

• Aumento da autoestima: uma rede social de apoio pode fornecer validação e encorajamento, o que pode aumentar a autoestima e a confiança.

• Maior senso de propósito: Ter um senso de conexão e propósito pode ser um fator importante para o bem-estar e felicidade geral.

Em suma, uma rede social de apoio pode ser uma importante fonte de apoio e pode contribuir para melhorar a saúde mental, a autoestima e o bem-estar geral.

Como cultivar relacionamentos de apoio:

• Seja aberto e honesto: Ser honesto e aberto com os outros permite que eles conheçam quem você realmente é e pode ajudar a construir confiança e intimidade nos relacionamentos.

• Mostre interesse pelos outros: pergunte às pessoas sobre suas vidas, ouça suas histórias e expresse interesse genuíno por suas experiências. Isso pode ajudar a construir conexão e fortalecer relacionamentos.

• Pratique o perdão: Guardar rancor pode prejudicar os relacionamentos. Tente deixar de lado o ressentimento e praticar o perdão, pois isso pode ajudar a fortalecer os relacionamentos e construir confiança.

• Passe algum tempo com pessoas positivas e solidárias: Cerque-se de pessoas positivas, gentis e solidárias, pois esses tipos de relacionamento podem ser edificantes e energizantes. Ao cultivar relacionamentos de apoio e construir uma forte rede social, os indivíduos podem melhorar sua saúde mental, autoestima e bem-estar geral. 

• Ofereça apoio: Esteja disponível para os outros quando eles precisarem de ajuda ou apoio e ofereça-se para ouvir ou ajudar.

Dicas para lidar com pessoas negativas ou tóxicas:

• Estabeleça limites: é importante estabelecer limites claros e comunicá-los aos outros. Isso pode envolver a definição de limites de quanto tempo você gasta com pessoas negativas ou a definição de limites do que você está disposto a tolerar delas.

• Pratique o autocuidado: cuide se si e priorize seu próprio bem-estar. Isso pode envolver reservar um tempo para si mesma, envolver-se em atividades de autocuidado ou buscar apoio de outras pessoas.

• Busque apoio: Cerque-se de pessoas positivas e solidárias que possam proporcionar um equilíbrio saudável às influências negativas em sua vida.

• Pratique a assertividade: defenda-se e comunique suas necessidades e limites de maneira clara e direta. Isso pode ajudar a reduzir conflitos e melhorar os relacionamentos.

• Limite o contato: Se necessário, limite ou corte o contato com pessoas negativas ou tóxicas, especialmente se estiverem causando estresse ou danos significativos em sua vida.

Ao estabelecer limites e cuidar de si, você pode se proteger de pessoas negativas ou tóxicas e manter seu próprio bem-estar.

5. Envolva-se em autocuidado regular

    O autocuidado refere-se às ações que os indivíduos realizam para manter e melhorar sua saúde física, emocional e mental. Envolve reservar um tempo para cuidar de si mesma e se envolver em atividades que promovam o bem-estar. O autocuidado pode incluir coisas como exercícios, uma dieta saudável, dormir o suficiente, praticar hobbies e atividades de lazer e buscar apoio quando necessário.

    O autocuidado é importante porque permite que o indivíduo se responsabilize por seu próprio bem-estar e priorize suas próprias necessidades. Ao se envolver no autocuidado, as pessoas podem melhorar sua saúde física e mental, reduzir o estresse e a ansiedade e aumentar seu senso de autoestima e confiança. No geral, o autocuidado é um componente essencial de um estilo de vida saudável e equilibrado. 

Exemplos de atividades de autocuidado:

• Exercício e atividade física: Praticar atividade física regular pode melhorar a saúde física, reduzir o estresse e melhorar o humor.

• Dieta saudável: Comer uma dieta balanceada e rica em nutrientes pode melhorar a saúde física e mental.

Sono: dormir o suficiente é essencial para o bem-estar físico e mental.

• Faça pausas e relaxe: Tirar um tempo para relaxar e descontrair pode ajudar a reduzir o estresse e melhorar o bem-estar geral.

• Envolva-se em hobbies e atividades de lazer: Fazer coisas de que você gosta, como hobbies ou atividades de lazer, pode proporcionar uma sensação de realização e prazer.

• Busque apoio: Pedir ajuda quando precisar, seja de amigos, familiares ou de um profissional, pode melhorar a saúde mental e o bem-estar.

• Pratique a autocompaixão: Tratar-se com gentileza e compreensão pode melhorar a autoestima e o bem-estar geral.

Ao se envolver em atividades de autocuidado regularmente, os indivíduos podem melhorar sua saúde física e mental e aumentar sua sensação de bem-estar.

Importância do autocuidado para a autoestima:

• Melhora da saúde física: o envolvimento em atividades de autocuidado que promovem a saúde física, como exercícios e uma dieta saudável, pode melhorar os sentimentos de autoestima e confiança.

• Aumento da autoestima: ao reservar um tempo para cuidar de si mesmo e priorizar suas próprias necessidades, você pode demonstrar a si mesmo que tem valor e valor.

• Maior autocompaixão: Praticar a autocompaixão ou tratar a si mesmo com gentileza e compreensão pode melhorar a autoestima e o bem-estar geral.

• Estresse reduzido: envolver-se em atividades de autocuidado que reduzem o estresse, como técnicas de relaxamento ou hobbies, pode melhorar o humor e o bem-estar geral, o que, por sua vez, pode aumentar a autoestima.

• Relacionamentos aprimorados: Cuidar de si mesmo pode ajudá-lo a ter energia e recursos para estar mais presente e solidário em seus relacionamentos, o que pode melhorar seu senso de autoestima e confiança.

No geral, o autocuidado é um aspecto importante para manter e melhorar a autoestima e pode contribuir para o bem-estar geral.

6. Desafie o Diálogo Interno Negativo:

    Definição de diálogo Interno Negativo: A conversa interna negativa refere-se aos pensamentos e crenças negativas que as pessoas têm sobre si mesmas. Pode envolver criticar a si mesmo, focar em suas fraquezas e falhas e duvidar de suas habilidades e valor. A conversa interna negativa pode ser prejudicial à saúde mental e ao bem-estar, pois pode levar à baixa autoestima, ansiedade e depressão. É importante reconhecer e desafiar o diálogo interno negativo para melhorar a saúde mental e o bem-estar.

 

 

Como reconhecer o Diálogo Interno Negativo:

• Você usa palavras como “nunca”, “sempre” ou “deveria” para descrever a si mesmo ou suas ações: por exemplo, “eu sempre estrago as coisas” ou “eu deveria ser capaz de fazer melhor do que isso”.

• Você usa linguagem autocrítica: isso pode incluir frases como “sou tão estúpido” ou “sou um fracasso”.

• Você faz declarações globais sobre si mesmo: por exemplo, “Não sou bom em nada” ou “Não sou digno de amor”.

• Você se compara desfavoravelmente com os outros: por exemplo: “Não sou tão inteligente quanto ela” ou “Nunca terei tanto sucesso quanto ele”.

• Você se concentra nos aspectos negativos das situações: por exemplo, “Não consigo fazer nada direito” ou “Isso vai ser um desastre”.

• Ao estar ciente desses sinais, você pode começar a reconhecer o diálogo interno negativo e tomar medidas para desafiá-lo e mudá-lo.

 

Técnicas para desafiar e reformular o diálogo interno negativo:

Identifique o pensamento negativo: reconheça quando você está se envolvendo em um diálogo interno negativo e tente identificar o pensamento ou crença específica que o está impulsionando.

• Questione as evidências: observe as evidências a favor e contra o pensamento negativo. É realmente verdade que você é “sempre” um fracasso ou há evidências do contrário?

• Reformule o pensamento: Tente reformular o pensamento negativo de uma forma mais equilibrada e realista. Por exemplo, em vez de “Sou um fracasso total”, tente “Cometi um erro, mas ainda sou uma pessoa competente e capaz”.

• Pratique a autocompaixão: trate-se com a mesma gentileza, cuidado e compreensão que você ofereceria a um bom amigo. Lembre-se de que todos cometem erros e defeitos, e é normal ter pensamentos negativos ocasionalmente.

•Busque apoio: converse com um amigo de confiança, familiar ou terapeuta sobre seus pensamentos e sentimentos negativos. Eles podem oferecer uma perspectiva diferente e ajudá-lo a encontrar maneiras de pensar mais úteis.

Ao desafiar e reformular o diálogo interno negativo, você pode melhorar sua autoestima e bem-estar.

7. Aprenda a dizer não.

 Estabelecer limites é importante porque ajuda os indivíduos a assumir o controle de suas próprias vidas e a proteger seu bem-estar físico, emocional e mental. Os limites podem ajudar a estabelecer relacionamentos saudáveis e a manter um senso de equilíbrio e estabilidade na vida. Eles também podem ajudar a reduzir o estresse e o conflito, pois os indivíduos são capazes de comunicar claramente suas necessidades e expectativas aos outros. Ao estabelecer limites, os indivíduos podem se sentir mais fortalecidos e no controle de suas vidas, o que pode levar ao aumento da autoestima e bem-estar geral.

Ter limites claros pode ajudar a reduzir conflitos e melhorar os relacionamentos, pois permite que as pessoas comuniquem suas necessidades e expectativas com clareza. Também pode ajudar a proteger as pessoas de serem aproveitadas ou tratadas com desrespeito. Além disso, estabelecer limites pode ajudar os indivíduos a manter seu senso de identidade e priorizar seu próprio bem-estar.

No geral, estabelecer limites é um aspecto importante do autocuidado e pode ajudar os indivíduos a levar uma vida mais saudável e gratificante.

Como dizer não sem sentir culpa:

Aqui estão algumas dicas para dizer não sem se sentir culpado:

• Reconheça seus sentimentos: é normal sentir-se culpado ao dizer não, especialmente se você gosta de agradar as pessoas. Reconheça e valide seus sentimentos, mas tente não permitir que eles controlem suas ações.

• Conheça seus limites: certifique-se de ter clareza sobre seus próprios limites e e seja honesto consigo mesmo sobre o que está ou não disposto a fazer.

• Pratique a autocompaixão: lembre-se de que não há problema em priorizar suas próprias necessidades e bem-estar. Seja gentil consigo mesmo e lembre-se de que não é egoísmo dizer não quando necessário.

• Comunique-se de forma assertiva: Seja direto e claro sobre sua decisão e tente evitar dar desculpas ou se desculpar excessivamente.

• Ofereça alternativas: Se possível, tente oferecer uma solução ou sugestão alternativa que seja mais viável para você.

Sendo claro e assertivo e praticando a autocompaixão, você pode dizer não sem se sentir culpado e ainda manter relacionamentos positivos.

Benefícios de dizer não para a autoestima:

Dizer não pode ser benéfico para a autoestima de várias maneiras:

• Autoestima aprimorada: ao estabelecer limites e defender a si mesmo, você pode demonstrar a si mesmo e aos outros que tem valor.

• Maior confiança: Ao ser claro sobre o que você está e não está disposto a fazer, você pode construir confiança em suas próprias decisões e assertividade.

• Maior senso de controle: Ao estabelecer limites e limites, você pode assumir o controle de sua vida e de seu tempo, o que pode melhorar os sentimentos de autoestima e valor próprio.

• Relacionamentos aprimorados: estabelecer limites e dizer não quando necessário pode melhorar a comunicação e reduzir os conflitos nos relacionamentos, o que, por sua vez, pode aumentar os sentimentos de autoestima.

• Bem-estar aprimorado: priorizar seu próprio bem-estar e cuidar de si mesmo pode melhorar a felicidade e o bem-estar geral, o que pode contribuir para aumentar a autoestima

No geral, dizer não pode ser um aspecto importante do autocuidado e pode ajudar a melhorar a autoestima e o bem-estar.

8. Pratique assertividade

Definição de assertividade:  Assertividade é a capacidade de expressar os próprios pensamentos, sentimentos e necessidades de maneira direta e confiante, respeitando os direitos e sentimentos dos outros. Envolve ser capaz de se comunicar aberta e honestamente e de se defender de maneira respeitosa. A assertividade pode ser uma habilidade importante nos relacionamentos, pois permite que os indivíduos comuniquem suas necessidades e limites com clareza e se defendam de maneira saudável.

Como se comunicar de forma assertiva:

Aqui estão algumas dicas para se comunicar de forma assertiva:

• Seja claro e direto: expresse claramente seus pensamentos, sentimentos e necessidades de maneira calma e respeitosa. Evite linguagem ambígua ou passiva e tente ser específico sobre o que está pedindo.

• Use declarações “eu”: em vez de culpar ou acusar os outros, use declarações “eu” para expressar sua própria perspectiva e sentimentos. Por exemplo, “Fico magoado quando você fala comigo desse jeito” é mais assertivo do que “Você sempre me magoa”.

• Respeite os direitos dos outros: embora seja importante afirmar suas próprias necessidades e limites, também é importante respeitar os direitos dos outros e evitar impor suas opiniões sobre eles.

• Pratique a escuta ativa: preste atenção ao que os outros estão dizendo e tente entender a perspectiva deles. Isso pode ajudar a reduzir mal-entendidos e conflitos.

• Busque um compromisso: quando surgirem conflitos, tente encontrar uma solução que atenda às necessidades de ambas as partes. Isso pode envolver comprometer ou encontrar um meio-termo.

Ao se comunicar de forma assertiva, os indivíduos podem melhorar seus relacionamentos e defender-se de forma saudável e respeitosa.

 

Benefícios da assertividade para a Autoestima:

A assertividade pode ser benéfica para a autoestima de várias maneiras:

• Autoestima aprimorada: ao expressar seus próprios pensamentos, sentimentos e necessidades de maneira confiante e respeitosa, você pode demonstrar a si mesmo e aos outros que tem valor.

• Maior confiança: ser assertivo pode aumentar a confiança em suas próprias opiniões e decisões, o que pode melhorar a autoestima.

• Maior senso de controle: Ao estabelecer limites e comunicar suas necessidades, você pode assumir o controle de sua vida e de seus relacionamentos, o que pode aumentar os sentimentos de autoestima.

• Relacionamentos aprimorados: a comunicação assertiva pode melhorar os relacionamentos, promovendo uma comunicação aberta e honesta, reduzindo mal-entendidos e conflitos e fortalecendo o respeito mútuo.

• Bem-estar aprimorado: a assertividade pode reduzir o estresse e melhorar o bem-estar geral, permitindo que os indivíduos se defendam e tenham suas necessidades atendidas de maneira saudável.

No geral, a assertividade pode ser uma habilidade importante para melhorar a autoestima e melhorar o bem-estar geral.

9. Procurar ajuda quando necessário

Procurar ajuda é importante porque pode melhorar a saúde mental e física, reduzir o estresse e a sobrecarga e melhorar o bem-estar geral. Existem muitos tipos diferentes de ajuda que os indivíduos podem procurar, incluindo apoio de amigos e familiares, assistência com tarefas ou responsabilidades e ajuda profissional de terapeutas, médicos ou outros profissionais de saúde.

Buscar ajuda pode ser especialmente importante em tempos de crise ou quando se enfrenta desafios significativos, pois pode fornecer o apoio e os recursos necessários para enfrentar situações difíceis. Também pode ser benéfico procurar ajuda ao lidar com problemas de saúde mental, como depressão, ansiedade ou vício.

No geral, buscar ajuda é um aspecto importante do autocuidado e pode ser benéfico para melhorar a saúde mental e física, reduzir o estresse e aumentar o bem-estar.

 

Existem muitos tipos diferentes de ajuda disponíveis, incluindo:

• Terapia: A terapia, também conhecida como aconselhamento ou psicoterapia, é uma forma de tratamento que envolve conversar com um profissional de saúde mental treinado sobre pensamentos, sentimentos e comportamentos. A terapia pode ser útil para uma ampla gama de problemas, incluindo transtornos de saúde mental, problemas de relacionamento e enfrentamento de mudanças na vida.

• Grupos de apoio: Grupos de apoio são grupos de pessoas que se reúnem para compartilhar experiências e oferecer apoio uns aos outros. Os grupos de apoio podem ser úteis para indivíduos que lidam com um determinado problema ou desafio, como vício, doença crônica ou luto.

• Medicamentos: Em alguns casos, os medicamentos podem ser prescritos por um médico ou outro profissional de saúde para ajudar a controlar os sintomas de distúrbios de saúde mental ou outras condições.

• Estratégias de autoajuda: Existem muitas estratégias de autoajuda que os indivíduos podem usar para melhorar sua saúde mental e física, incluindo exercícios, atenção plena e atividades de autocuidado.

Ao buscar ajuda de várias fontes, os indivíduos podem encontrar o apoio e os recursos de que precisam para melhorar seu bem-estar.

 

Dicas para encontrar a ajuda certa:

• Determine suas necessidades: pense sobre o que você está procurando ajuda e o que espera alcançar. Isso pode te ajudar a identificar o tipo de ajuda que será mais benéfica para você.

• Considere suas preferências: pense no que você se sente confortável e no que procura em um provedor de ajuda. Por exemplo, você pode preferir trabalhar com uma terapeuta do sexo feminino ou com um terapeuta especializado em um determinado assunto.

• Pesquise suas opções: existem muitas fontes diferentes de ajuda disponíveis, portanto, pode ser útil fazer algumas pesquisas para encontrar a melhor opção para você. Você pode pedir recomendações de amigos, familiares ou seu médico de cuidados primários, ou pode pesquisar diretórios ou sites on-line para terapeutas ou grupos de apoio em sua área.

• Não tenha medo de pesquisar: não há problema em entrevistar vários provedores ou experimentar diferentes grupos de suporte para encontrar aquele que parece certo para você. É importante encontrar um provedor de ajuda com quem você se sinta confortável e que entenda suas necessidades.

• Lembre-se de que não há problema em pedir ajuda: buscar ajuda é um sinal de força e é um passo importante para melhorar seu bem-estar. Não tenha medo de pedir o apoio de que precisa.

Considerando suas necessidades e preferências, pesquisando e experimentando diferentes opções, você pode encontrar a ajuda certa para atender às suas necessidades.

 

10. Invista no Autoconhecimento: Aprenda sobre os seus valores e crenças

Compreender seus valores e crenças é importante porque eles servem como princípios orientadores para suas ações e decisões. Seus valores são as coisas mais importantes para você e moldam suas prioridades, comportamentos e relacionamentos. Suas crenças são suas convicções sobre o que é verdadeiro ou falso e moldam sua perspectiva e compreensão do mundo.

Compreender seus valores e crenças pode te ajudar a tomar decisões que estejam alinhadas com seus princípios e que reflitam quem você é. Também pode te ajudar a identificar e buscar objetivos que sejam significativos e gratificantes para você. Além disso, entender seus valores e crenças te ajuda  a se comunicar e interagir de maneira mais eficaz com os outros, pois você pode compartilhar sua perspectiva de maneira mais autêntica e genuína.

No geral, entender seus valores e crenças é um aspecto importante da autoconsciência e pode ajudá-lo a viver uma vida mais plena e autêntica.

 

Como conhecer seus valores e crenças:

• Reflita sobre suas experiências: Pense sobre as experiências que foram mais significativas para você e o que você aprendeu com elas. Que valores e crenças foram importantes para você nessas situações?

• Considere suas prioridades: Em que você gasta seu tempo e energia? O que você prioriza na sua vida? Estas podem ser pistas para seus valores.

• Reflita sobre seus relacionamentos: pense nas pessoas que são mais importantes para você e no que você valoriza nesses relacionamentos. Que qualidades você aprecia nos outros e se esforça para incorporar a si mesmo?

• Explore suas emoções: Preste atenção às suas reações emocionais a diferentes situações. Que valores ou crenças suas emoções refletem?

• Busque feedback: pergunte a amigos de confiança, familiares ou terapeuta sobre suas observações sobre seus valores e crenças. Eles podem ter insights que você ainda não reconheceu.

    Ao refletir sobre suas experiências, considerando suas prioridades, explorando suas emoções e buscando feedback de outras pessoas, você pode começar a identificar seus valores e crenças. Também pode ser útil manter um diário ou se envolver em outras formas de autorreflexão para ajudá-lo a esclarecer seus valores e crenças ao longo do tempo.

 

Benefícios de alinhar suas ações com seus valores e crenças:

• Bem estar aprimorado: quando suas ações se alinham com seus valores e crenças, é mais provável que você se sinta autêntica e realizada, o que pode contribuir para o bem-estar geral.

• Aumento da autoestima: quando você age de maneira consistente com seus valores e crenças, pode se sentir mais confiante e orgulhosa de si mesma, o que pode melhorar a autoestima.

• Relacionamentos aprimorados: alinhar suas ações com seus valores e crenças pode te ajudar a construir relacionamentos mais fortes e autênticos, pois você está sendo verdadeira consigo e os outros sabem o que esperar de você.

• Maior senso de propósito: quando você age de acordo com seus valores e crenças, pode sentir um maior senso de propósito e significado em sua vida.

• Tomada de decisão aprimorada: alinhar suas ações com seus valores e crenças pode te ajudar a tomar decisões alinhadas com seus princípios, o que pode reduzir conflitos e melhorar o bem-estar geral.

No geral, alinhar suas ações com seus valores e crenças pode trazer inúmeros benefícios para o bem-estar geral.

11. Pratique autoperdão

O autoperdão é o processo de reconhecer e aceitar de próprios erros ou falhas e estender a compaixão e a compreensão a si mesmo. Envolve reconhecer que todos cometem erros e reconhecer que os próprios erros não os tornam uma pessoa má. É um aspecto importante do bem-estar emocional e mental, pois pode ajudar a reduzir os sentimentos de culpa, vergonha e autoculpa, e pode ajudar a promover a autoaceitação e a autocompaixão.

 

Como praticar o autoperdão

Aqui estão estão alguns passos que você pode seguir para praticar o autoperdão:

• Reconheça o erro ou falha: É importante reconhecer e aceitar que você cometeu um erro ou tem uma falha. Isso pode ser difícil, mas é um primeiro passo importante no processo de autoperdão.

• Expressar remorso: Em seguida, tente expressar remorso ou arrependimento pelo que fez. Isto pode ser tão simples quanto dizer a si mesmo: “Sinto muito pelo que fiz”.

• Aceite a responsabilidade: assuma a responsabilidade por suas ações, em vez de culpar os outros ou dar desculpas.

• Faça reparações: Se possível, tente reparar o dano que você causou. Isso pode envolver pedir desculpas a alguém que você prejudicou ou tomar medidas para reparar o dano.

• Aprenda com a experiência: reflita sobre o que você aprendeu com a experiência e tente usar esse conhecimento  para se melhorar no futuro.

• Deixe de lado a autoculpa: é importante deixar de lado a autoculpa e ser gentil e compreensivo consigo mesmo. Lembre-se de que todos cometem erros e que você é digno de perdão.

• Pratique a autocompaixão: trate-se com a mesma gentileza, compaixão e compreensão que você ofereceria a um bom amigo.

Lembre-se de que o autoperdão é um processo e pode levar algum tempo para se perdoar completamente. Não há problema em fazer as coisas no seu próprio ritmo e pode ser útil buscar o apoio de amigos, familiares ou um terapeuta enquanto você trabalha no processo.

 

Benefícios do autoperdão para a Autoestima:

O autoperdão pode trazer vários benefícios para a autoestima.

• Quando você pratica o autoperdão, é capaz de deixar de lado o autojulgamento negativo e a autoculpa, o que pode ajudar a aumentar a sua autoestima. Quando você consegue se perdoar, consegue aceitar seus defeitos e imperfeições, o que pode ajudar a promover a autoaceitação e a autocompaixão.

• Além disso, o autoperdão é capaz de deixar de lado o autojulgamento negativo e a autoculpa, o que pode ajudar a aumentar a sua autoestima. Quando você consegue se perdoar, consegue aceitar seus defeitos e imperfeições, o que pode ajudar a promover a autoaceitação e a autocompaixão. 

• O autoperdão também pode ajudar a reduzir os sentimentos de culpa, vergonha e raiva de si mesmo, que podem afetar a autoestima. Quando você é capaz de perdoar a si mesmo, é capaz de deixar de lado essas emoções negativas e se concentrar em sentimentos positivos de autoestima e autoaceitação.

No geral, praticar o autoperdão pode ser uma ferramenta poderosa para aumentar a autoestima e promover o bem-estar geral.

Envolve reconhecer que todos cometem erros e reconhecer que os próprios erros não os tornam uma pessoa má. É um aspecto importante do bem-estar emocional e mental, pois pode ajudar a reduzir os sentimentos de culpa, vergonha e autoculpa, e pode ajudar a promover a autoaceitação e a autocompaixão.

12. Pratique Mindfulness:

Mindfulness é a prática de trazer a atenção para o momento presente, sem julgamento. Envolve prestar atenção aos próprios pensamentos e sentimentos no momento presente, em vez de insistir no passado ou se preocupar com o futuro. 

A atenção plena pode ser praticada por meio de uma variedade de técnicas, como meditação, ioga, ou simplesmente prestando atenção à respiração ou ao ambiente. Muitas vezes é descrito como uma forma de consciência “sem julgamento”ou “momento presente”.

A atenção plena demonstrou ter vários benefícios, incluindo a redução do estresse e da ansiedade, melhorando o foco e a concentração e promovendo o bem-estar geral. Muitas vezes é praticado como uma forma de redução do estresse, mas também pode ser usado para aumentar a autoconsciência e promover o crescimento pessoal.

Como praticar mindfulness

Aqui estão alguns passos que você pode seguir para praticar a atenção plena:

• Encontre um lugar tranquilo e confortável para se sentar ou deitar.

• Feche os olhos ou concentre o olhar em um ponto fixo à sua frente.

• Respire fundo algumas vezes e preste atenção à sensação da respiração conforme ela se mova para dentro e para fora do seu corpo.

• Observe quaisquer pensamentos ou sentimentos que surgirem e tente observá-lo sem julgamento. Se sua mente divagar, traga novamente sua atenção de volta para a sua respiração.

• Tente ficar no momento presente, em vez de ficar remoendo o passado ou se preocupando com o futuro.

• Continue esta prática por alguns minutos ou pelo tempo que desejar.

• Você também pode praticar a atenção plena em sua vida cotidiana, prestando atenção ao seu entorno e às suas expectativas no momento presente. Tente estar totalmente presente e engajada em tudo o que estiver fazendo, seja dando um passeio, preparando uma refeição ou conversando com um amigo.

Lembre-se de que atenção plena é uma prática e leva tempo e paciência para se desenvolver. Tudo bem se sua mente divagar ou se você tiver problemas para manter o foco. Continue voltando ao momento presente e tente ser gentil e não julgar a si mesma.

Benefícios do Mindfulness para a Autoestima:

A atenção plena pode trazer vários benefícios para a autoestima.

• Ao praticar a atenção plena, você é capaz de cultivar a autoconsciência e a autoaceitação, o que pode ajudar a aumentar a sua autoestima. Ao prestar atenção aos seus pensamentos e sentimentos no momento presente, você pode obter uma maior compreensão de si mesmo, o que pode te ajudar a sentir-se mais confiante e segura de si.

• Além disso, a atenção plena pode te ajudar a abandonar o autojulgamento negativo e a autocrítica, que podem prejudicar a autoestima. Ao praticar a consciência sem julgamento, você pode aprender a se aceitar como você é, com falhas e tudo, o que pode ajudar a promover a autoaceitação e a autocompaixão.

• A atenção plena também pode ajudar a reduzir o estresse e a ansiedade, que podem prejudicar a autoestima. Ao aumentar os sentimentos de calma e relaxamento, a atenção plena pode ajudar a sentir-se mais confiante e seguro de si. 

No geral, a atenção plena pode ser uma ferramenta poderosa para aumentar a autoestima e promover o bem-estar geral. 

13. Fazer exercício regularmente

O exercício pode ser um fator importante no desenvolvimento e manutenção da autoestima.

Quando você pratica atividade física, seu corpo libera endorfinas, substâncias químicas que podem ajudar a melhorar o humor e reduzir a sensação de estresse e ansiedade. Isso pode ajudar a aumentar os sentimentos de autoestima e autoconfiança e pode contribuir para o bem-estar geral.

Além disso, o exercício pode auxiliar na perda de peso, o que pode ser um fator importante na autoestima de algumas pessoas. Quando uma pessoa se sente bem com sua aparência, isto pode aumentar a autoestima e a autoconfiança.

O exercício também pode ajudar a melhorar a autodisciplina e o autocontrole, o que pode ser benéfico para a autoestima. Quando você define metas para si mesmo e trabalha para alcançá-las por meio de exercícios regulares, pode desenvolver um sentimento de realização e orgulho, o que pode contribuir para uma autoestima positiva.

Finalmente, o exercício pode ser uma ótima maneira de aliviar o estresse e promover o relaxamento, o que pode ajudar a melhorar o bom humor e o bem-estar geral. Quando você sente-se relaxado e sem estresse, pode ser mais fácil sentir-se bem consigo mesmo e ter uma autoestima positiva.

No geral, o exercício pode ser um fator importante no desenvolvimento e manutenção da autoestima. Ao praticar atividade física regular, você pode melhorar seu humor, físico e bem-estar geral, o que pode ajudar a melhorar a autoestima e autoconfiança.

Benefícios do Exercício físico para a Saúde Mental:

O exercício pode trazer vários benefícios para a saúde mental:

• Reduzindo o estresse: A atividade física pode ajudar a reduzir os níveis de estresse e ansiedade em seu corpo, liberando endorfinas, substâncias químicas que atuam como analgésicos naturais e elevadores do humor.

• Melhorar o humor: Foi demonstrado que o exercício melhora o humor e reduz o risco de desenvolver depressão. Também pode ajudar a aliviar os sintomas de ansiedade e melhorar a autoestima.

• Melhorar a função cognitiva: O exercício regular tem sido associado à melhoria da função cognitiva, incluindo aumento de volume cerebral e aumento da produção de neurotransmissores como a serotonina, que estão envolvidos na regulação do humor.

• Melhorar o sono: O exercício pode ajudar a melhorar a qualidade do seu sono, reduzindo o tempo que leva para adormecer e aumentando a duração do sono profundo.

Reduzindo o risco de desenvolver condições de saúde mental: o exercício regular tem sido associado a um risco reduzido de desenvolver condições como depressão e ansiedade, além de melhorar os resultados para indivíduos que já vivem com essas condições.

É importante observar que os benefícios para a saúde mental podem variar dependendo da pessoa e podem não ser adequado para todos. Se você está pensando em iniciar um programa de exercícios, é sempre uma boa ideia consultar primeiro um profissional de saúde.

Dicas para incorporar atividade física à sua rotina:

• Comece pequeno: pode ser opressor tentar encaixar muitos exercícios no seu dia, especialmente se você está começando. Comece com pequenos incrementos de tempo, como 10 ou 15 minutos, e aumente gradualmente à medida que se sentir mais confortável.

• Encontre atividades que você goste: é mais fácil manter uma rotina de exercícios se você gosta das atividades que está fazendo. Experimente diferentes tipos de exercício até encontrar algo de que goste.

• Estabeleça metas específicas: Ter metas específicas pode ajudar a te motivar. Essas metas podem estar relacionadas ao seu nível de condicionamento físico, como correr uma certa distância ou levantar uma certa quantidade de peso, ou podem  estar relacionadas à sua saúde geral, como reduzir a pressão arterial ou melhorar o sono.

• Acompanhe seu progresso: acompanhar seu progresso pode ser uma ótima maneira de ser manter motivado e ver o progresso que está fazendo. Isso pode envolver manter um registro de seus treinos, rastrear suas medidas ou usar um aplicativo de condicionamento físico para monitorar o seu progresso.

• Encontre um companheiro de treino: ter um amigo para se exercitar pode tornar a prática mais agradável. Vocês podem se motivar e apoiar um ao outro e fazer do exercício uma atividade social.

• Seja consistente: para ver todos os benefícios do exercício, é importante ser consistente e torná-lo parte regular de sua rotina. Escolha dias e horários que funcionem melhor para você e cumpra-os o máximo possível.

14. Aprenda a estabelecer limites

Definição de limites: Limites são as regras que estabelecemos para nós mesmos nos relacionamentos e interações com os outros. Esses limites podem ser físicos, emocionais ou psicológicos e ajudam a proteger nosso espaço pessoal, valores e crenças. Os limites também podem ajudar a estabelecer relacionamentos saudáveis e melhorar a comunicação com os outros, deixando claro o que é e o que não é um comportamento aceitável.

Por exemplo, definir limites pode envolver não a pedidos irracionais, definir limites para a quantidade de tempo que você passa com alguém ou definir regras de como você deseja ser tratado. É importante estabelecer e manter limites saudáveis para ter relacionamentos saudáveis, respeitosos e gratificantes com os outros.

 

Algumas coisas importantes a saber sobre limites:

Os limites são pessoais: os limites podem diferir de pessoa para pessoa, e o que é confortável para uma pessoa pode não ser confortável para outra. É importante prestar atenção aos seus próprios sentimentos e necessidades ao estabelecer limites e respeitar os limites dos outros.

• Os limites podem ser físicos, emocionais ou psicológicos: os limites físicos referem-se ao espaço físico e ao toque, enquanto os limites emocionais envolvem o compartilhamento de sentimentos e informações pessoais. Limites psicológicos estão relacionados a pensamentos, crenças e valores.

• Os limites podem mudar: Nossos limites podem mudar com o tempo ou em diferentes situações, e é importante estar aberto para reavaliá-los e ajustá-los conforme necessário.

• Limites são importantes para relacionamentos saudáveis: estabelecer e manter limites saudáveis pode ajudar a criar relacionamentos respeitosos e gratificantes com os outros, pois nos permite manter nosso senso de identidade e respeitar os limites dos outros.

• Não há problema em dizer não: estabelecer limites geralmente envolve dizer não a solicitações e demandas que não se alinham com nossos  valores ou são irracionais. É importante lembrar que não há problema em dizer não e que estabelecer limites não faz de você uma pessoa difícil ou indelicada.

 

Como estabelecer limites com os outros:

• Conheça seus próprios limites: O primeiro passo para estabelecer limites é estar ciente de seus próprios valores, crenças e limites. Reserve um tempo para pensar sobre quem você é e com o que não se sente confortável nas diversas áreas da sua vida, como espaço pessoal, tempo e relacionamentos.

• Comunique seus limites com clareza: depois de conhecer seus limites, é importante comunicá-los aos outros. Seja clara, direta e específica sobre o que você aceita e o que não está disposta a aceitar e tente usar declarações “eu” para expressar seus sentimentos e necessidades.

• Seja firme: Não há problema em ser firme ao estabelecer limites, desde que você seja respeitosa. Não tenha medo de defender a si mesma e os seus interesses.

• Não dê desculpas: é importante ser claro e direto ao estabelecer limites, em vez de dar desculpas ou ser vago. Isso pode ajudar a evitar mal entendidos e garantir que seus limites sejam respeitados.

• Respeite os limites dos outros: Assim como é importante definir seus próprios limites, também é importante respeitar os limites dos outros. Se alguém comunicar um limite pra você, é importante ouvir e respeitar seus limites.

• Esteja preparado para a resistência: é possível que algumas pessoas não respeitem seus limites, e você pode precisar definir as consequências para violações de limites. Esteja preparado para seguir as consequências, se necessário.

Benefícios de estabelecer limites para a autoestima

• Proteger seu espaço pessoal: e impedir que outras pessoas infrinjam seu espaço físico, emocional ou psicológico. Isso pode te ajudar  a se sentir mais no controle da sua vida e mais confiante na sua capacidade de autoafirmação.

• Melhorar os relacionamentos: Estabelecer limites pode ajudar a melhorar seus relacionamentos, estabelecer linhas claras de comunicação e respeito mútuo. Isso pode levar a relacionamentos mais gratificantes e saudáveis, o que, por sua vez, pode aumentar a autoestima.

• Reduzir o estresse: os limites podem ajudar a reduzir o estresse, limitando a quantidade de tempo que você gasta com pessoas ou situações que são desgastantes ou negativas. Isso pode te ajudar a se sentir mais no controle de sua vida e reduzir sentimentos de opressão.

• Melhorar a tomada de decisões: Definir limites pode te ajudar a ser mais seletiva sobre como gastar seu tempo e energia, o que pode melhorar suas habilidades de tomada de decisão. Isso pode aumentar sua autoestima, ajudando você a se sentir mais confiante e capaz. Promover o autocuidado: estabelecer limites pode ajudar a promover o autocuidado, protegendo seu tempo e energia para as coisas que são mais importantes para você. Isso pode te ajudar a se sentir mais equilibrada e realizada, o que por sua vez, pode aumentar a autoestima.

Conclusão:

Como você pode ter percebido, cara leitora, desenvolver a autoestima envolve vários passos. Apesar de a autoestima ser o valor individual que cada um se dá e portanto um julgamento interno, trabalhar a autoestima inevitavelmente envolve realizar uma variedade de ações de forma consistente. Identificar as situações que prejudicam a sua autoestima é o primeiro passo. Este é um caminho que não é necessariamente fácil ou rápido mas lembre-se que você passou muitos anos da sua vida com um “nível” de autoestima, se vendo de uma forma negativa. As mudanças duradouras costumam ser gradativas Insista. Você vale a pena.

últimos posts:

Mulheres e a Autoestima

Neste artigo, exploraremos a importância da autoestima para as mulheres e como ela pode impactar os relacionamentos amorosos, a amizade e as relações familiares. Entender essas conexões é fundamental para promover relacionamentos saudáveis e significativos. Vamos mergulhar nessa jornada de autodescoberta e crescimento pessoal.

Ler »

Desvendando o Segredo da Autoestima

Quando você se avalia de forma positiva existe autorrespeito e autoconfiança. Existe uma satisfação em ser quem é. A autoestima é o que pensamos, sentimos e acreditamos sobre nós mesmos.

Ler »

Estratégias infalíveis para aumentar a sua Autoestima

Sentir-se inferior, pensar mal de si mesma, se por pra baixo. Essas são algumas formas da baixa autoestima operar.

Se você passa por isto sabe o quanto prejudica e atrapalha a vida, de diversas formas possíveis e em diversas áreas. Para mudar a forma como você se vê e assim desenvolver uma autoestima positiva, é necessário mudar não somente o seu pensamento, mas também alguns hábitos.

Ler »

Jornada Semear

Autoconhecimento para mulheres que desejam se reconectar com sua essência e resgatar a autoestima

E-book

Autoestima: Sistema Imunológico da Mente; Autossabotagem

Microcast

Pequenos áudios para provocar reflexão e mudanças

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Academia de Autoestima

Técnicas e prática para desenvolvimento de Autoestima

Academia de Autoestima® 2024  – Todos os Direitos Reservados

Este site utiliza Cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao prosseguir você concorda com a nossa Política de Privacidade.